Frankenstein é provavelmente uma das histórias mais contadas e recontadas na literatura. No entanto, você conhece mesmo  a história de solidão, morte e horror vividas por Victor Frankenstein e sua criatura? 

Publicado entre 1816 e 1817, pela autora Mary Shelley. O livro que foi iniciado mediante uma brincadeira literária proposta por um de seus amigos, ninguém menos que Lorde Byron, criou vida própria, animada por uma visão horrenda de Shelley e estimulada por seu marido, o também escritor Percy Shelley . 

O livro narra a história de Victor Frankenstein, um rapaz brilhante com uma sede de conhecimento incomensurável. Em sua busca desenfreada por conhecimento, Victor se depara com leituras sobre reanimação da matéria inanimada, o que o instiga a criar um novo ser e lhe dar a centelha de vida. Basicamente, ele brinca de ser “Deus”. 

Ele enfim consegue criar uma criatura saída de seus piores pesadelos. Gigante, horrenda e em sua concepção indigna de viver. Por medo, pavor ou remorso, Victor decide abandonar sua criação e seguir com sua vida. No entanto, os laços que unem criador e criatura são mais poderosos e malignos do que pressupomos. 

“A relva cobre a delicada figura, e ele não conhece a dor. Não é mais objeto de pena: devemos reserva-lá aos míseros sobreviventes.” 

Uma das coisas mais interessantes na narrativa de Shelley é a sua crítica velada ao fato do homem brincar com a possibilidade de criar vida. Victor, cego por ter esse poder em mãos, deixa sua razão ser nublada e só se dá conta de seus atos funestos quando já é tarde demais. 

A Criatura, que nasce estranha ao mundo, tem de crescer e aprender a viver praticamente sozinha. Uma das melhores partes da trama é a forma como ele descobre que não tem lugar no nosso mundo. A princípio, o Monstro é um ser benevolente, que anseia intimamente ser amado e poder viver em paz e harmonia com os seus “semelhantes”. No entanto, as pessoas o julgam por sua aparência repugnante e isso leva a criatura a viver de maneira marginalizada, sempre à espreita . 

Capa do Livro

Um dos momentos mais marcantes do livro é quando a criatura em seu caminho de aprendizado, lê um trecho de “Paraiso perdido” de John Milton e se coloca na figura de Satã, que foi expulso do paraíso por seu criador e acaba por ser revoltar com toda a criação de seu pai, jurando assim uma vingança sem precedentes. 

Um pouco após ter seu último lance de compaixão negado, a criatura decide se vingar do seu criador por tê-lo feito único. Mais uma vez, se vendo na narrativa escrita por Milton, agora no lugar de Adão, decide buscar que seu criador lhe dê paz e o livre da solidão​. 

Que natureza estranha é a do conhecimento! Adere à mente e, uma vez que lá esteja, domina como um líquen na rocha.”

A narrativa de Shelley é deliciosa de ser lida. Mesmo escrita há dois séculos, consegue trazer temas atuais que envolvem o leitor e abrem um leque para diversas discussões. Ela discorre como o isolamento e a marginalização podem ser extremamente maléficos para as pessoas, uma vez que estando isoladas, elas acabam por culpar a humanidade por suas desventuras.  

É interessante essa análise que ela faz acerca da solidão. Como “ninguém é uma ilha”, e a importância de se viver em sociedade faz parte da formação do caráter, da humanização e de outras coisas, a criatura me fez recordar a solidão do personagem Robert Neville em “Eu sou a lenda” do autor Richard Matheson. 

Ilustrações presentes na edição

O livro é delicioso de ser lido, apesar de clássico, e isso muitas vezes assustar algumas pessoas, como falei anteriormente a escrita da autora é fluida e simples.  

Um bônus é que a edição conta com 4 contos escritos pela autora, que tratam também sobre imortalidade, que eu pretendo fazer um post exclusivo para eles, uma vez que valem​ a pena! 

No mais, espero que deem uma chance a leitura desse grande clássico do terror e da ficção científica. Um livro único e atemporal.

Onde Comprar: Amazon | Submarino

*Livro cedido pela editora em parceria*

Frankenstein, Ou o Prometeu Moderno Book Cover Frankenstein, Ou o Prometeu Moderno
Mary Shelley
Terror, Ficção Científica
Darkside Books
304

Duzentos anos após sua criação, Frankenstein continua vivo – e mais atual do que nunca. Conheça a história original, com toda a sensibilidade e o terror que o cinema nunca conseguiu mostrar. Um cientista obcecado que desafia as leis da natureza e põe em risco a vida daqueles que ama. Uma criatura quase humana que deseja ser um de nós, mas só encontra medo, ódio e morte pelo caminho. A obra-prima de Mary Shelley que deu origem ao terror moderno está de volta, numa edição monstruosa como só a DarkSide Books poderia lançar: capa dura, tradução primorosa, ilustrações inéditas do artista brasileiro Pedro Franz, além de quatro contos extras que versam sobre o mesmo tema do romance. Impresso em duas cores: preto e sangue. Um livro que todos deveriam ler e reler ao longo da vida. A edição definitiva para se guardar para sempre.

Facebook Comments

Keyla Kercya

Apaixonada por fantasia,terror e quadrinhos. Tem uma crush pelo Batman, Nightwing,Bluebird e Harley Quinn. Gótica assumida que ama Unicórnios!