Para os leitores de quadrinhos, os últimos dois anos têm apresentado uma série de surpresas deliciosas, que vão de relançamentos de obras esgotadas, como Sandman, de Neil Gaiman a obras pouco conhecidas e bastante atuais, como Fruto Estranho, de Mark Waid e J. G. Jones. Indo por essa última vertente, a editora Darkside Books – que já realiza um trabalho excepcional em seus romances e vem apresentando uma curadoria para os quadrinhos agradavelmente plural – entrega Francis, uma HQ curtinha, mas surpreendentemente reflexiva.

Aproveitando que o lançamento foi nesse finzinho de março, nada melhor do que aguçar a sua curiosidade com bons motivos que tornam este quadrinho tão especial. Bora lá?

1. A HISTÓRIA

Em Francis, Loputyn convida os leitores a conhecer Melina, uma jovem bruxa pertencente a um clã poderoso e antigo guiado pela Alta Sacerdotisa. No recorte em que acompanhamos da vida da bruxinha, Melina está prestes a enfrentar o seu maior desafio: deve competir com sua única amiga, Camélia, a fim de que se escolha aquela que substituirá a velha Sacerdotisa. Embora Melina aparente não se importar com o futuro, aos poucos percebemos o mecanismo que movimenta as peças da pequenina comunidade, a mitologia e o lugar em que a pequena bruxa se vê ali.

2. AS PERSONAGENS

Loputyn consegue em poucas páginas tecer personagens capazes de cativar o público leitor. Melina, nossa protagonista é a típica figura rebelde, um pouco egoísta, deslocada e solitária, porém dotada também de uma sede em se mostrar capaz e se fazer presente. Do lado oposto temos Camélia, a amiga notavelmente poderosa e adorada pelo resto da comunidade. Camélia é o oposto de Melina; bastante centrada e não menos orgulhosa, mas também capaz de demonstrar certa empatia para com a bruxinha solitária. É uma relação rápida, de poucas páginas, mas que permanece gravada depois de se ter lido.

Ah, sim, falando em personagens não poderíamos deixar de citar àquela que dá nome ao quadrinho: Francis. Francis é uma raposa ágil e arteira, ou melhor, um espírito da montanha que acaba se modelando na forma da raposinha adorável da capa. Ligado pela invocação de Melina, Francis em poucas páginas é capaz de estreitar uma relação que parece decolar pelo tempo.

3. A ARTE

E se estamos falando de quadrinhos, não podemos deixar de lado a arte que combina os traços ágeis com a aquarela de Loputyn. A delicadeza do pincel, a escolha das cenas e a fluidez dos quadros compõem uma arte memorável. Não há brusquidão ou rebeldia nos traços, mas sim formas bem definidas e agradáveis. A colorização também é um ponto positivo a elencar. A arte de Loputyn consegue apresentar bem os momentos divertidos e da mitologia da história, esta, claro, com muita graciosidade.

Foto por @liemderry_

4. A MENSAGEM POR TRÁS DA OBRA

Francis é uma história em quadrinho que em uma primeira leitura pode passar a ideia de extrema simplicidade. No entanto, Loputyn consegue criar em poucas páginas uma obra que versa sobre sentir-se parte de algo que realmente importe. Em meio ao roteiro e à arte da autora, encontramos uma fábula graciosa que mescla o sobrenatural, a alquimia e a liberdade. A escuridão e a inocência sobrevoam as paisagens de uma história que deixa marcas em quem a lê.

5. LOPUTYN E A EDIÇÃO NACIONAL

Como se não bastasse tudo o que já foi dito, a edição nacional da Darkside Books conta com uma edição capa dura, bordas arredondadas e verniz aplicado, com folhas em papel de qualidade para as ilustrações e folha de guarda especialmente decorada. Por fim, é importante ressaltar a importância da vinda de Loputyn para as terras tupiniquins. A italiana, cujo nome real é Jéssica Cioffi somente agrega à composição da pluralidade nas leituras, fugindo do eixo tão comum EUA-GRB.

Francis Book Cover Francis
Loputyn
Fantasia
Darkside Books
21.03.2019
Físico
96

Uma bruxa e uma raposa sobrevoam uma floresta. Lá do alto, pouco antes de traçarem seu destino inevitável, elas admiram os contornos do Monte Orfano, uma montanha verdejante que esconde mistérios em cada canto. Juntos, elas criam caos e liberdade, mas até onde podem ir antes da escuridão as alcançar? Reserve um canto especial na estante e separe os melhores ingredientes na bancada. Ao lado da talentosa quadrinista italiana Jessica Cioffi, que atende pelo nome mágico Loputyn, prepararemos uma poção que vai abrir os caminhos mais sombrios dos corações dos leitores da DarkSide Books. E tudo começa com uma raposa. Anote aí para não esquecer: seu nome é Francis. Espírito traiçoeiro que reside em cada átomo da montanha, Francis vive em completa solidão. Ao ser conjurado pelos poderes latentes da bruxa Melina, em uma união favorável do destino (ou não), Francis ganha um corpo físico na forma de uma raposa despenteada e uma missão: ajudar a garota na prova mais importante de sua vida para que ela não fracasse. Não demora muito para que Francis questione seus desejos e escolhas, e logo as personalidades mesquinhas e egoístas de ambas entram em sintonia. E, de repente, quebrar mais um pouquinho as regras não parece algo tão errado assim para Melina… Francis é uma fábula encantada em que doçura e escuridão existem lado a lado. Com seu traço aquarelado, rico em tons pastéis, Loputyn apresenta uma aventura fascinante com elementos mágicos e mostra que todos temos luz e trevas dentro de nós. Com um estilo que referencia a moda lolita e faz o leitor mergulhar em um sonho quase etéreo, Francis é uma história sobre entender que sua trajetória pode não ser aquela que você imaginava, e como descobrir sua identidade é um processo tão íntimo que magia alguma pode acelerar ou alterar. Francis é o quadrinho perfeito para os fãs da série Sabrina, da saudosa revista W.i.t.c.h, mangás da CLAMP e os livros da linha DarkLove. E Loputyn, um talento para admirar e acompanhar. Uma fábula para folhear muitas e muitas vezes, apenas para ter mais um gostinho desse mundo de sonhos, pois cada quadro é um espetáculo à parte. Uma verdadeira conjuração da DarkSide Books diretamente para você. Pronto para mergulhar no mundo sombrio de Francis e beber suas poderosas poções?

Facebook Comments

Dhiego Morais

Paulistano de nascimento, praiano por consequência. Nerd inveterado, descobriu desde pequeno o conforto dos livros e a habilidade de imergir em seus mundos. De romances a mangás, de literatura fantástica a não ficção, aprendeu com o tempo que basta um cantinho e uma boa história para ser feliz. Fã de Stephen King, de ir ao cinema e comer em um bom restaurante. Não necessariamente nessa ordem.

About The Author

Dhiego Morais

Paulistano de nascimento, praiano por consequência. Nerd inveterado, descobriu desde pequeno o conforto dos livros e a habilidade de imergir em seus mundos. De romances a mangás, de literatura fantástica a não ficção, aprendeu com o tempo que basta um cantinho e uma boa história para ser feliz. Fã de Stephen King, de ir ao cinema e comer em um bom restaurante. Não necessariamente nessa ordem.

Related Posts