Falar de quadrinhos aqui no blog já está ficando bastante comum, não é mesmo? Esse for da editora Pipoca & Nanquim, então? Pois muito que bem! Isso é fantástico!

Como já deve ter dado pra notar, a dica da vez consiste em uma das melhores leituras do ano, sem sombra de dúvidas: O Preço da Desonra: Kubidai Hikiukenin, de um dos mangaka mais respeitados de todos os tempos, Hiroshi Hirata.

1. HISTÓRIA DE SAMURAI DE QUALIDADE INIGUALÁVEL

Lembro até hoje como eu vim parar nesse mar imensurável que é o das histórias em quadrinhos: a união entre ter visto um vídeo no Youtube a respeito de Lobo Solitário e a vontade inesperada de querer ler mangá. Em pouquíssimo tempo eu já estava mergulhando nas histórias desse mangá e de outros do gênero, como o incrível Vagabond, de Inoue.

Quando a editora Pipoca & Nanquim anunciou O Preço da Desonra, eu não pude resistir e reservei a compra do que eu não seria capaz de prever: um dos melhores mangá que já li na vida – não é brincadeira, não, e nem estou supervalorizando a obra. Tudo o que o autor, Hiroshi Hirata se propõe a fazer nesse calhamaço em volume único é realizado com maestria. Uma leitura que não te permite imergir delicadamente, mas que te engole por inteiro. P-E-T-A-R-D-O. Só digo isso.

Trecho do mangá (edição: Pipoca & Nanquim)

2. SOBRE O CONTEÚDO

O Preço da Desonra ou Kubidai Hikiukenin é um mangá ambientado na época do xogunato, quando a honra dos samurais no campo de batalha passou a ser definida pelo valor de uma bolsa de dinheiro. Até então, morrer a serviço da espada era a maior honra conhecida, uma prova do respeito ao bushidô – o código seguido pelos guerreiros espadachins. Para manter a cabeça bastava assinar uma promissória com o próprio sangue, já que ninguém em sã consciência iria para a batalha ostentando tanto peso em ouro. A promissória era a garantia que o derrotado dava ao oponente de que se comprometia a literalmente pagar por sua vida.

Em pouco tempo soldados passaram a ver nessa situação uma grande oportunidade de enriquecer às custas da desgraça do inimigo (e o outro, bem, a chance de realmente continuar vivinho e saltitante pelos campos do Japão). Séculos no passado… já deu pra assimilar o problema dessa artimanha samurai? Como garantir que a promissória seria paga?

De modo a suprir essa demanda surgiram os Tomadores de Promissórias, guerreiros no caminho do bushidô que se especializaram em coletar as dívidas daqueles que a firmaram no furor da batalha. Kubidai Hikiukenin contará sete histórias que mesclam o momento político do Japão ao ápice dos profissionais Tomadores.

3. ARTE, PURA ARTE

A arte de Hiroshi Hirata é de encher os olhos. Concebido nos primeiros anos da década de 1970, porém, o mangá não passa ares de datado, muito pelo contrário. Como se não bastasse a habilidade nata em roteirizar suas histórias, o autor desenha primorosamente bem, versando dos tons de branco e preto como poucos conseguem fazer.

Trecho do mangá (edição: Pipoca & Nanquim)

4. SUCESSO EDITORIAL

Não poderia ser por menos. Hirata é um fenômeno editorial do jidaigeki – gênero referente aos dramas históricos – no Japão, considerado inclusive uma lenda viva. Além de tudo isso, é dito como um dos maiores calígrafos do país asiático, responsável pela criação da caligrafia do título de Akira, de Katsuhiro Otomo.

No Brasil, Hirata faz sua estreia na Pipoca & Nanquim de maneira meteórica: atualmente, O Preço da Desonra lidera a lista de maiores pré-vendas da editora, com quase três mil unidades vendidas antes de seu lançamento, fato que garante novas publicações do autor em terras brasileiras.

Se ainda não leu este mangá, sugiro correr! É favorito na certa!

O Preço da Desonra Book Cover O Preço da Desonra
Kubidai Hikiukenin
Hiroshi Hirata
Drama Histórico
Pipoca & Nanquim
2019
Físico (com sobrecapa)
396

Hiroshi Hirata, alardeado no Japão como um dos maiores autores de histórias de samurai, se não o maior, finalmente chega ao Brasil! A simples menção da palavra “samurai” basta para evocar o espírito do guerreiro, seguida por substantivos que parecem estar diretamente conectados a ela, como honra, bravura e perseverança. E, apesar de o samurai ser um combatente perfeito, protegido por sua armadura e com espada em punho, destaque em histórias de heroísmo e com a existência baseada num resoluto código de conduta, há um lado obscuro que envolve esses guerreiros e desafia tudo o que pensávamos saber sobre eles! Em um determinado período do xogunato no Japão, as lutas travadas nos territórios em conflito começaram a ser negociadas e ganharam contornos econômicos, quando honra, tradição e glória foram substituídas pelo comércio puro e simples. Por meio de uma barganha firmada após o resultado de um combate de espadas, o derrotado podia manter a cabeça sobre o pescoço... Desde que pagasse a quantia certa para tanto! Em O Preço da Desonra, Hiroshi Hirata explora essa questão em sete histórias ao mesmo tempo fascinantes e cruéis, capazes de transformar nossas percepções a respeito da mítica figura do samurai, e apresenta um dos seus maiores personagens, o tomador de promissórias Hanshiro. Um clássico gekigá dos anos 1970 revigorado para o formato luxuoso típico da editora Pipoca & Nanquim, com 396 páginas, sobrecapa com verniz de alto relevo e marcador de páginas exclusivo.

Facebook Comments

Dhiego Morais

Paulistano de nascimento, praiano por consequência. Nerd inveterado, descobriu desde pequeno o conforto dos livros e a habilidade de imergir em seus mundos. De romances a mangás, de literatura fantástica a não ficção, aprendeu com o tempo que basta um cantinho e uma boa história para ser feliz. Fã de Stephen King, de ir ao cinema e comer em um bom restaurante. Não necessariamente nessa ordem.

About The Author

Dhiego Morais

Paulistano de nascimento, praiano por consequência. Nerd inveterado, descobriu desde pequeno o conforto dos livros e a habilidade de imergir em seus mundos. De romances a mangás, de literatura fantástica a não ficção, aprendeu com o tempo que basta um cantinho e uma boa história para ser feliz. Fã de Stephen King, de ir ao cinema e comer em um bom restaurante. Não necessariamente nessa ordem.

Related Posts